sexta-feira, 6 de janeiro de 2006

A Volta ao Mundo em 80 Dias (1872, 1872)


Contribua com a sua opinião acerca desta obra!

Poderá ler aqui no blog uma crítica escrita por Tais Laporta.

Sinopse:
Phileas Fogg, um cavalheiro britânico, aposta com os membros do seu clube que fará a volta ao mundo em oitenta dias. E hei-lo que parte acompanhado do seu criado Passepartout, um parisiense esperto e expedito. Para ganhar a aposta, teria de regressar a Londres em 21 de Dezembro de 1872, às vinte horas e quarenta e cinco minutos. Acusado, porém, de ser o audacioso assaltante do Banco de Inglaterra, Phileas Fogg será permanentemente perseguido pelo detective Fix, que, todavia, nunca consegue detê-lo... A Volta ao Mundo em 80 dias, um dos romances mais célebres de Júlio Verne, alia à graciosidade e ao humor, o verdadeiro espírito da aventura, do "suspense" e de um brilhantismo de escrita que raras vezes foi igualado.

Embora muitos dos livros lançados tragam em suas capas a foto de um balão, não há momento algum na história em que os personagens se utilizem dele. Em certa ocasião, Phileas Fogg cogita o uso de um balão, mas a ideia fica só na imaginação. 

É curioso que Verne quando escrevia a série “A Volta ao Mundo em 80 dias” (na altura a obra saía por episódios), ocorreu uma febre tal na população para comprar os folhetins, que as companhias de navegação ofereceram fortunas para que as personagens dos livros fizessem a última etapa num dos seus navios.

É aconselhável, para que a leitura deste livro seja mais interessante e profunda que o leitor, tenha uma visão global do planisfério terrestre, e que possua alguns conceitos básicos de geografia, principalmente na compreensão de coordenadas. Outra sugestão, que também torna a leitura deste livro muito interessante é acompanhar a viagem com um mapa ou um atlas do mundo, quanto mais completo e pormenorizado melhor.

Trajecto: Phileas Fogg e Jean Passepartout foram de comboio de Londres a Dover e atravessaram o Canal da Mancha até Calais de navio. Daí a Paris, de comboio, seguindo até Turim e Brindisi (porto italiano no mar Adriático). Embarcaram no vapor Mongolia, que cruzou o canal de Suez e deixou-os em Bombaim (Índia). Seguiram de comboio para Calcutá, embarcaram no vapor Rangoon para Singapura e Hong Kong; e na escuna Tankadere para Yokohama, no Japão. Dali o embarque foi no poderoso navio General Grant que aportou em São Francisco (EUA). Cruzaram o continente americano pelo caminho de ferro Pacific Railroad até New York, e o Atlântico no barco Henrietta até o porto de Liverpool, na Inglaterra e finalmente de comboio até Londres. Uma aventura extraordinária à volta do mundo.

9 comentários:

Fred disse...

Quando li pela primeira vez A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS, Verne levou-me a um mundo fantastico, um mundo cheio de novas culturas, um mundo de pessoas estranhas e cativantes, um mundo onde tudo está proximo quando se olha com os olhos da humildade, um mundo que ele compartilhou comigo e um mundo onde o amor nos espera . Tudo isso, absolutamente tudo isso, sem precisar sair do sofa da minha casa.

Arthur Ribeiro Costa e Silva disse...

Fantástico! O melhor livro que já li em toda a minha vida! Além da trama interessantíssima, da história paralela dinâmica e eletrizante, dos numerosos episódios cômicos, do fascínio criado pelos personagens tão diferentes entre si, ele tem um desfecho que arrasa a imaginação de qualquer leitor!

Tatiane disse...

Olha essa história é excelente nunca tinha lido um livro tão bom como esse, pra falar a verdade é uma viagem: parabenizo vc autor desse livro Júlio Verne e quero muito poder conhecer todas as suas obras.

Lucas Conrado Silva disse...

Esse é o segundo livro de Júlio Verne que leio, o primeiro foi Da Terra à Lua. Semplesmente me apaixonei pela história! Li o livro em dois dias! O que mais gostei foi o detalhe do final (a questão dos 4 minutos a cada grau andado) e o trecho sobre o que Phileas Fogg ganhou no fim da história.

Camila Alves disse...

O Julio Verne é sensacional,e nessa obra ele mostra toda a sua genialidade!

Anónimo disse...

tenho de afirmar que admiro quase a 100% a sua critica pois critico todos os livros que pelas minhas mãos passam ... como muitos já afirmaram nos seus comentários, o livro é extremamente empolgante, deixou-me muitas vezes na expetativa, até bem perto do desfecho ... ao lermos, revelamos um grande interesse e, quem é fã deste género de livro, vive a emoção ao máximo ... é uma obra de génio, muitas aventuras esperam a qualquer leitor que pretenda ler o dito livro

Roza disse...

Neste livro Julio Verne viajava com um dineheiro que era aceito em todas as cidades. Ele previa o futuro em seus livros. Como hoje, temos cartões de créditos, o Visa, o Master Card, viajamos com cartões aceitos em todos os lugares, sem o menor problema.

Maria_queenfire disse...

Gosto muito da forma como está escrito: estabelece-se um "diálogo" entre o narrador e o leitor, através da forma da escrita e dos vocábulos e expressões utilizados.
As personagens também são muito interessantes, misteriosas (em especial o Phileas Fogg), bem como todo o enredo. Muitas aventuras, suspense, divertimentos, perigos, enfim, muitas peripécias que fazem deste livro uma excelente obra!
Recomendo! :)

Larissa Fonseca disse...

Posso dizer que me arrependo de não ter pegado firme na leitura desse clássico mais cedo, porque realmente me surpreendi com sua qualidade. Ao virar das páginas, é possível conhecer um pouco sobre as culturas dos países pelos quais Fogg passava, sentir as emoções do ativo Passepartout, se afligir com os imprevistos que surgiam pelo caminho e até mesmo perceber um sorrateiro romance entre Fogg e a Senhora Auda. É um livro envolvente, e não é de se espantar ao saber todo o sucesso que fez desde que foi lançado, afinal a gente acaba dando a volta o mundo com os personagens também.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...