sexta-feira, 6 de janeiro de 2006

Dois Anos de Férias (1886-87, 1888)

Deixe a sua opinião acerca desta obra!

Sinopse:

No iate «Sloughi» tinham embarcado catorze rapazes com idades compreendidas entre os oito e os catorze anos, todos eles alunos de um colégio da Nova Zelândia. Aconteceu, porém, que o iate quebrou misteriosamente as amarras na altura em que toda a tripulação se encontrava em terra, exceptuando um grumete. Lançado, assim, no mar sem a presença de qualquer adulto, o «Sloughi» será precipitado por uma violenta tempestade para uma ilha deserta nas proximidades da América do Sul. Começam, então, as longas «férias» involuntárias, durante as quais os jovens caçam, pescam, inventam armadilhas, domesticam animais, cultivam a terra, enfrentam rivalidades provocadas pelo antagonismo nascido das diferenças de caracteres e de raças. No decurso do segundo ano desembarcam na ilha outros náufragos: bandidos temíveis condenados a pesadas penas que, deste modo, evitam cumprir. Trava-se então uma luta implacável entre jovens que apenas possuem inteligência e coragem e homens que não conhecem fé nem lei...

É curioso saber que Verne tinha um carinho especial por Aristide Breand, colega do seu filho, e por isso mesmo decidiu colocá-lo, com o nome de Briant, como personagem principal da obra.

2 comentários:

Anónimo disse...

Livro excelente adorei

SN disse...

Volvido um quarto de século, estou a reler "Dois anos de férias", um dos famosos livros de aventuras do escritor francês Julio Verne. Estou a fazê-lo com o mesmo entusiasmo da primeira vez, até porque, para além da sinopse, já tinha esquecido grande parte da história, que recordo também da série de TV, que entre nós, creio, passou em meados dos anos 70.

Uma das coisas que me apraz na leitura desta aventura é a existência do mapa da ilha (baptizada pelos naufragos de Ilha Chairman), desenhado por um antigo residente, possivelmente, tal como o grupo de jovens, também ele um náufrago.

Neste sentido, é espantoso como o relacionamento da história em todos os aspectos geográficos, sai sobremaneira enriquecido com o conhecimento do tal mapa, pelo que a compreensão da história é assim melhor assimilada.

Neste aspecto Júlio Verne foi exemplar, pois os mapas estão presentes em quase todas as suas grandes aventuras, funcionando assim como um auxiliar de leitura e até uma espécie de interactividade narrativa.

Em suma, é como se o leitor estivesse ali presente em cada um dos locais da acção.

Há aventuras que sabe bem reviver.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...