domingo, 6 de novembro de 2011

Revelada existência do Cap. Nemo na Galiza (Espanha)

Como já dito em tópicos anteriores, em Espanha, principalmente na Galiza, há bastantes referências/homenagens a Júlio Verne pelo facto de na sua obra, 20000 Léguas Submarinas, o autor ter referido a baía de Vigo (Portugal teve direito a muitas mais referências ao longo das suas obras e até a duas visitas do escritor à capital e nunca nada do género se fez, infelizmente).

São duas as homenagens ao escritor francês já visitadas pelo Blog JVerne. A primeira foi na cidade de Vigo e a segunda em Redondela. Recentemente apareceu uma terceira em La Coruña mas... já lá vamos.

Na costa da cidade podemos encontrar o famoso Aquarium Finisterrae junto ao histórico farol da Torre de Hércules, o mais antigo farol de origem romana ainda em uso, recentemente acrescentado à lista da UNESCO como Património da Humanidade.

Toda a costa galega está no museu/aquário: os pescadores, os mercados da venda de peixe, as canções de marinheiro... Até o espectacular ambiente natural marinho faz parte do museu. Mas como temos acesso ao fundo do mar?
Através do Nautilus, claro está!!

Descendo pelo Nautilus, temos acesso a uma sala submersa onde podemos reviver o sonho de Júlio Verne. Lá encontra-se também o escritório do capitão Nemo com música em fundo composta para este ambiente. O cenário segue à risca a descrição do livro do escritor. Os armários do século XIX guardam louça em porcelana e colecções de conchas, há cartas marítimas espalhadas, velhos mapas emoldurados, cadeirões sobre tapeçarias e uma mesa com entalhes dourados na penumbra. Atrás, rente ao vidro da janela, desfila um tubarão-touro, seguido por um cardume de robalos.


Além de todo este magnífico cenário, e para além de outros objectos, temos acesso a cartas de navegação e documentos pessoais, tudo original da segunda metade do século XIX relacionados com a personagem da obra de Júlio Verne.

Mas, como é isso possível? Através de um texto onde o director nos explica o porquê da construção da secção do Nautilus, é-nos dito que nos finais de 1988 receberam uma chamada telefónica de uma pessoa que dizia ter um posse livros, cartas e fotografías que podiam ser de interesse para a futura instalação municipal. Como resultado desse contacto receberam-se os documentos referidos.

[...]Entre outros, estava uma primeira edição de 20000 Léguas Submarinas. Também vinham algumas fotografias de várias ilustrações e distintas paisagens costeiras galegas em que aparecia um objecto com aspecto de submarino, outras -em cenários irreconhecíveis- do submarino em questão com uma grande semelhança com o descrito por Júlio Verne na obra mencionada mas curiosamente dotado de uma espécie de câmara na sua parte inferior. Segundo a pessoa que enviou os documentos, disponha no total de 46 fotografias. Uma delas correspondia ao retrato de um homem de idade avançada, usando um chapéu, e sentado num escritório cheio de mapas, objectos náuticos e objectos pessoais. De acordo com a informação recebida, atrás da fotografia podia-se ler, em castelhano: "Auto retrato do velho N. no seu escritório". Outra fotografia correspondia, segundo afirmava, ao barco "Saint-Michel III" e tinha atrás a inscrição em francês "Ao meu bom amigo, o Capitão. Lembrança da nossa viagem a Vigo" seguido da assinatura "Jules Verne". Nenhuma das fotografias tinha data.[...]

Continua no original aqui.

Em 2002, o Museu decidiu tornar pública esta informação mas até hoje ainda não conseguiu obter as respostas para as suas perguntas apesar da constante análise dos objectos e fotografias conseguidos. Dessa forma, decidiu colocar algumas fotos do material conseguido online com esperança que alguém os ajude. Veja aqui, entre outras, a fotografia do tal velho N.

Localização:
GPS: 43º22'57.06" N, 8º24'37.44" W
Aberto todos os dias das 10h00 às 19h00; aos fins-de-semana e feriados fecha às 20h00
Bilhetes a 10€, crianças com menos de 14 anos e adultos com mais de 65 anos pagam 4€.

2 comentários:

William Candido disse...

Muito interessante!
Apesar do museu não ter como provar a autenticiade desses documentos, mesmo assim, é bem interessante. Imagine só: a possibilidade de ter existido um capitão Nemo na vida real!? Seria uma excelente noticia, principalmente para quem adora a história das 20.000 Léguas Submarinas.

Meu espirito de verniano adoria acreditar em tudo isso sem precisar provar nada, mas o lado racional impede, acho que é mais fácil existir um Professor Lidenbrock que se arriscou entrando em um vulcão extinto ou então o Phileas Fogg que deu a volta ao mundo, do que um Capitão Nemo e seu Nautilus.

Carlos Patrício disse...

Esses espanhóis... adoram uma polêmica!
De qualquer forma, a visita ao Aquário Finisterrae por si só já valeria a viagem.
Pelas fotos, vê-se que o local é mesmo belíssimo, tanto em seu exterior - com o mundialmente famoso Farol da Torre de Hércules ao fundo - quanto pelo fantástico cenário submarino, descrito com precisão por Verne e imaginado por milhôes de seus leitores ao longo dos anos. Espetacular!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...