quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Nemo Onipresente

O mais famoso personagem criado pela mente de Verne, o Capitão Nemo, surge quando menos se espera, em filmes, obras literárias, teatrais, de televisão - e até em banda desenhada (quadrinhos)!

Com exemplos, nesse ano de 2013 tivemos pelo menos duas obras em BD em que o icônico navegante verniano é citado. A primeira é um spin-off da espetacular série "The League of Extraordinary Gentlemen", escrita pelo autor inglês Alan Moore (Watchmen, From Hell, V for Vendetta) e ilustrada pelo competente Kevin O'Neill : "Nemo : Heart of Ice".


Além de continuar utilizando uma série de personagens - alguns bem obscuros - da Literatura do século retrasado, Moore cita, ao lado de, é claro, "20.000 Léguas Submarinas", duas outras obras clássicas, que ligam Verne a Edgar Allan Poe: "A Esfinge dos Gelos", de Verne, que é uma continuação-homenagem a "O relato de Arthur Gordon Pym", o único e absolutamente apavorante romance do americano. Verne ficou tão impressionado com o "romance inacabado" de Poe que criou um desfecho sensacional para o mesmo. Ler os dois livros em sequência é experiência inesquecível. Mr. Moore, ligado como sempre, aproveita elementos das três histórias para fazer uma aventura espetacular nas terras geladas do extremo sul de nosso planeta. Imperdível.



A segunda obra da "nona Arte" envolvendo nosso estimado capitão é a série da editora americana Marvel, "The Defenders", escrita por Matt Fraction. Nela, o personagem Namor (conhecido por muitos que acompanham as BD como o "Príncipe Submarino", um ser de idade desconhecida, filho mestiço de mãe atlante e pai da superfície e que comanda os mares como soberano) encontra no fundo do oceano os restos do Nautilus e, nele, indícios de que Nemo envolveu-se com sua mãe, décadas atrás. Isso, aliado ao fato da semelhança no som dos dois nomes "Nemo" e "Namor", faz com que seus parceiros de equipe o indaguem:

- Você acredita que essa seja a verdadeira nave, aquela dos livros?
- Que livros? - pergunta um carrancudo Namor, visivelmente incomodado.
- Jules Verne?
- Ele é um autor atlante?
- Não, ele...
- Não li.- corta Namor, rispidamente.
- Você acha que ele pode ter sido seu pai?
E, após uma longa pausa, o soberano dos Mares diz:
- .... não importa. Eu sei quem eu sou.

Danadinho, esse Nemo. 

1 comentário:

roberto disse...

De todas as obras vernianas, 20.000 Léguas Submarinas, o Capitão Nemo e o Nautilus, é sem dúvida a mais brilhante.
Nemo foi, é e será ainda personagem de muitas obras que virão e manterá a memoria de Julio Verne, viva para sempre.
Aproveito para informar que estou em fase final de revisão da obra 20.000 Léguas Submarinas em Versos, acrescentando mais detalhes que me escaparam na primeira obra já publicada neste prestigiado Blog. Em breve vou disponibiliza-la para substituir a anterior e tenham certeza está mais rica e muito mais completa.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...