sexta-feira, 18 de maio de 2007

'Viagem ao Centro da Terra' na TV

É com agrado que informo que no dia 26 de Julho, irá ser transmitido na RTP Memória, o filme "Viagem ao Centro da Terra" de Henry Levin com James Mason, Pat Boone e Arlene Dahl.

É de aproveitar, pois inexplicavelmente não há à venda em Portugal este filme em DVD com legendas em português.


Foi indicado 3 categorias do OSCAR® em 1959:
Direcção de Arte, Som e Efeitos Especiais

Sinopse:
Fantasia e diversão certamente são o ponto alto desta versão cinematográfica do clássico suspense de Jules Verne, estrelado por James Mason, Pat Boone e Arlene Dahl. Com lugares espectaculares como pano de fundo, a história conta as aventuras da expedição liderada pelo Professor Lindenbrook (Mason) rumo ao centro da Terra. Também são membros do grupo um estudante de astronomia Alec (Boone) e a viúva de um colega (Arlene Dahl). Perigos, como sequestro, morte, sabotagem preparada por um explorador rival, espreitam pelo caminho. Répteis pré-históricos gigantes surgem a todo o momento. Mas, os aventureiros também encontram maravilhas deslumbrantes como uma reluzente caverna de cristais de quartzo, algas luminescentes, uma floresta de cogumelos gigantes e a cidade perdida de Atlântida. Permanecendo fiel à narrativa de Verne, esta é uma aventura arrebatadora que garante suspense e diversão para todos os exploradores da família.

1 comentário:

Natália R. Gomes disse...

Filme x Livro

Este filme é um daqueles filmes que possuem apenas meras semelhanças com a obra literária - como todas as adaptações do conto da Cinderela, sabe? Há todos os elementos com os quais é possível distinguir a história da Cinderela, como a madrasta má, as filhas perversas, o pai morto, a vida de cão, mas todo o meio, os acontecimentos não são muito parecidos com o original.

E é exatamente isto que vemos neste filme de 1959: temos o professor, um assistente que é apaixonado por uma mulher que está sob os cuidados do professor, uma viagem à Islândia e a busca pelo centro da Terra. Contudo vários pontos foram alterados: As nacionalidades mudaram; Alec não é o sobrinho do professor e sim um estudante; o professor não encontra um livro do Saknussem e sim põe as mãos acidentalmente em um objeto que teria pertencido ao estudioso... estes são apenas o início. Também temos um professor Lindenbrook que sai contando para todos sua descoberta, divergindo completamente do livro, no qual ele mantem o real motivo de sua expedição por medo de ter que disputar território. E é engraçado que acho que o roteirista pegou justamente esta ideia e colocou três pessoas que vão atrás do centro da Terra.

E o filme, claro, incrementou alguns personagens para o filme ter uma veia cômica, romântica e de mais ação (bem pequenas, mas ainda sim os elementos estavam lá). Para dar mais ação ao filme, fizeram o professor, como eu já disse, falar sobre a expedição para outras pessoas que tentaram chegar antes dele - aí surge a figura do conde Saknussem, um descendente do Arne Saknussem. Para o professor não ficar sozinho, temos uma mulher na expedição. E a veia cômica... digamos que Gertrude (que não é a mulher da expedição) roubou meu coração!

O filme foge um pouco do livro, sim é verdade, mas é um bom filme para assistir. Foram duas horas de filme (que imaginei que eu ficaria entediada) que passaram muito rápido. Mas é preciso ter em mente que é um filme antigo, de 1959. Sinceramente não sei qual era o nível de tecnologia da época, então não sei se o filme utilizou-se desta tecnologia ou se era de baixo orçamento. O que eu sei é que os efeitos são bem capengas mesmo - do tipo que usam lagartos para serem dinossauros.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...